Seu browser não suporta JavaScript!

06/08/2007 | Agência Tucana

Otavio Leite quer convocar diretora da Anac na CPI do Apagão Aéreo

Brasília (06 de agosto) - O deputado Otavio Leite (RJ) classificou de ´gravíssimas´ as acusações feitas pelo ex-presidente da Infraero Brigadeiro José Carlos Pereira de que Denise Abreu, diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), faria lobby para beneficiar amigos em um negócio milionário. Em entrevista ao jornal O Globo, Pereira disse que Denise tenta fazer com que a Anac patrocine a transferência do setor de cargas dos aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e Viracopos, em Campinas (SP), para o terminal de Ribeirão Preto (SP).

PROBLEMAS NA AGÊNCIA

O aeroporto de Ribeirão Preto é privatizado e administrado por Carlos Ernesto Camargo, dono da Tead (Terminais Aduaneiros do Brasil). O brigadeiro afirma que Camargo e Denise são amigos, o que é confirmado por fontes do setor, segundo o jornal carioca. A operação, se concretizada, envolverá cerca de R$400 milhões por ano.

Na avaliação de Leite, a convocação de Denise pela CPI do Apagão Aéreo da Câmara é emergencial e indispensável. ´Amanhã mesmo apresentarei ao colegiado um requerimento solicitando seu comparecimento. Não podemos adiar mais a realização de uma oitiva com a diretora da Anac. As denúncias trazidas pelo Brigadeiro reforçam a idéia que algo de muito errado está acontecendo dentro da agência responsável pela fiscalização do setor aeroportuário´, destacou.

Segundo Leite, a demora do ex-presidente da Infraero em expor à nação as possíveis irregularidades praticadas na Anac é justificável. ´José Carlos Pereira tinha as amarras naturais de quem está no exercício de uma função e ocupa um cargo estratégico para o governo. No momento, o mais importante é investigar um fato que já é uma prova cabal dos graves problemas enfrentados pela agência´, disse.

REGALIAS

A edição da revista Veja desta semana também traz denúncia que compromete a diretoria da agência. Segundo a publicação, quatro diretores da Anac, entre eles Denise, fizeram 288 viagens de avião num período de seis meses utilizando bilhetes das companhias aéreas que deveriam controlar. Ao contrário dos milhares de passageiros que sofrem diariamente com o caos instalado nos aeroportos do país, os diretores contam com outros benefícios além da gratuidade das passagens, como dispensa de filas e check-in.

Para o vice-líder do PSDB na Câmara deputado Emanuel (SP), as regalias oferecidas pelas companhias aéreas, principais interessadas nas avalições feitas pela Anac, aos diretores são ´absurdas´. ´A existência de vantagens na relação entre fiscalizados e agência reguladora é lamentável. Esta é a caricatura de um governo que não consegue estabelecer uma distância entre o público e o privado. É o país dos companheiros´, concluiu.