Seu browser não suporta JavaScript!

10/07/2012 | Jornal O Globo on line

Otavio Leite reclama de aparição de Paes com Seedorf

Freixo e Otavio Leite reclamam de aparição de Paes com Seedorf

Por Juliana Castro

RIO – O candidato do PSOL à prefeitura do Rio, Marcelo Freixo, reclamou nesta terça-feira da aparição do prefeito Eduardo Paes (PMDB), que concorre à reeleição, ao lado do jogador holandês Clarence Seedorf, recém-contratado pelo Botafogo. Segundo ele, esta é a terceira vez, desde o início da campanha, em 6 de julho, que o peemedebista se aproveita do cargo de prefeito para se beneficiar. Em Brasília, Otavio Leite (PSDB) também criticou a postura do prefeito e o aconselhou “baixar a bola”.

O vascaíno Paes cedeu o Palácio da Cidade, sede social da prefeitura, para a apresentação do jogador. Além da aparição do prefeito com o novo camisa 10 do alvinegro, o socialista citou a presença de Paes em duas inaugurações ao lado da presidente Dilma Rousseff, na última sexta-feira, e ações de telemarketing que a campanha peemedebista estaria utilizando para captar votos.

- São três atitudes em menos de uma semana. Ele é uma pessoa pública e deveria ser mais cuidadosa – afirmou Freixo, durante panfletagem no Largo da Carioca, no centro.

O Ministério Público Eleitoral (MPE) havia recomendado que Paes não participasse das inaugurações ao lado de Dilma. O PMDB, então, fez uma consulta ao Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ), que afirmou não ver problema na participação do prefeito nos eventos, desde que não houvesse pedido de votos. Com relação à aparição de Paes ao lado do jogador do Botafogo, o procurador regional eleitoral, Maurício da Rocha Ribeiro, afirmou ao GLOBO que houve abuso de poder político e uso da máquina administrativa em benefício próprio. Otavio Leite fez referência às duas manifestações.

- O prefeito anda muito ansioso. E, já que estamos falando de futebol, seria melhor ele baixar a bola. Nós sabemos que, depois do segundo amarelo, vem o vermelho. Essa é uma nítida expressão ansiedade. Esse comportamento não condiz com uma postura democrática - disse o candidato tucano.