Seu browser não suporta JavaScript!

02/02/2011 | Revista Veja on line

Para oposição, discurso de Dilma foi superficial

Por Gabriel Castro

O discurso de Dilma Rousseff na abertura dos trabalhos do Legislativo foi recebido com frieza pela oposição. Para o líder do PSDB na Câmara, Duarte Nogueira (PSDB-SP), a fala da presidente foi frustrante: “Faltou objetividade, faltou ela ter tido a capacidade de aproveitar a presença dos chefes de poderes e fixar metas para fazer a reforma tributária e a reforma política”, afirma.

Otavio Leite (PSDB-RJ) diz que a oposição irá acompanhar os gastos prometidos por Dilma. E citou um verso da banda Barão Vermelho: “Foi um museu de grandes novidades. A não ser alguns números de investimentos que ela assegurou que irá executar, sobre os quais nós vamos deitar as lupas e acompanhar milimetricamente cada centavo, para verificar se na prática o discurso será verdadeiro”.

Pelo Twitter, o deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO) saiu-se com a definição mais curiosa: “O discurso da presidente Dilma, hoje, na Câmara, parecia bula de pomada Minâncora: promete cura para tudo, mas não resolve nada. Genérico”.

Governistas - O presidente do PT, José Eduardo Dutra , rebateu as críticas da oposição: “Numa mensagem presidencial ao Congresso, não cabe ficar detalhado os projetos que serão encaminhados. É da própria natureza da mensagem o presidnete formular as grandes questões e a orientação que deverá dar ao seu governo. A oposição sabe disso. Quando ela governava o país, as mensagens dos seus presidentes também não eram detalhadas”.

Anthony Garotinho (PR-RJ), outro aliado do governo, ficou satisfeito: “Ela reafirmou os compromissos de campanha, deu uma sinalização positiva quanto à reforma tributária e quanto à reforma política”, defendeu o deputado.