Seu browser não suporta JavaScript!

07/10/2011 | Jornal O Dia

Parlamentares organizam manifestação popular contra retirada de recursos dos royalties

Por Max Leone

Rio - Deputados federais e senadores da bancada do Rio vão definir na próxima segunda-feira a data de um grande ato político contra a tentativa de retirada de recursos dos royalties do pré-sal, caso o veto do ex-presidente Lula à Emenda Ibsen seja derrubado pelo Congresso Nacional. A ideia dos parlamentares é mobilizar a população do estado em manifestação, inicialmente prevista para o dia 17. Será em frente à Câmara dos Vereadores contra a covardia que representantes de estados não produtores querem fazer contra as finanças estaduais e dos municípios que recebem royalties.

“Vamos colocar tomo mundo vestido de preto na Cinelândia. Preto em homenagem ao petróleo e por estar de luto contra o que estão tentando fazer contra o Rio”, afirmou o deputado federal, Hugo Leal (PSC-RJ), um dos coordenadores da bancada.

Em 17 de março de 2010, 150 mil pessoas participaram de passeata pela Rio Branco convocada pelo governo do estado. Para o deputado Otavio Leite (PSDB-RJ), chegou a hora de a população voltar a demonstrar que está preocupada com a possibilidade de perda de receitas. “O nosso estado não pode ceder como estão querendo”, adverte.

Segundo o senador Lindberg Farias (PT-RJ), os parlamentares estão discutindo e amadurecendo a proposta da manifestação. “Um dos termos da reunião de segunda-da bancada em Brasília vai ser justamente o ato político. Falta definir a data”, afirma.

“Todos vão ter que ceder”

O relatório do projeto de distribuição dos royalties do pré-sal será analisado por parlamentares da comissão criada para este fim na próxima terça-feira. O objetivo do encontro é aparar todas as arestas do projeto, antes da esperada votação no plenário do Senado, no dia 19.

Em busca da aprovação de todas as esferas (União, estados e municípios), o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), relator do projeto, afirma que “todos devem ceder para todos ganharem”.

A proposta enfrenta forte resistência do Rio e demais dos estados produtores, que contestam a distribuição de recursos de áreas licitadas e de não licitadas, item presente no projeto.