Seu browser não suporta JavaScript!

08/10/2014 | Jornal O Globo

PMDB do Rio que apoia Aezão receberá Aécio na quinta-feira

Por Marcelo Remígio

RIO - O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, se reúne na quinta-feira com o comando da campanha tucana no Rio para definir a agenda do senador no estado e traçar estratégias para impulsionar o movimento Aezão — grupo criado por dissidentes do PMDB em apoio à candidatura do PSDB e à reeleição do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão. Na segunda-feira, o presidente nacional do PMDB, Michel Temer, esteve com Pezão numa tentativa de inibir no Rio a campanha contra a reeleição da presidente Dilma Rousseff.

No Rio, os tucanos ainda buscam atrair o grupo político da candidata derrotada à Presidência, Marina Silva (PSB), para o palanque de Aécio. O PSB deve decidir nesta quarta-feira seu posicionamento no segundo turno.

Criador do movimento Aezão, o presidente PMDB-RJ, Jorge Picciani, se reuniu ontem com sete deputados e seis parlamentares eleitos, prefeitos e vereadores da Baixada e pediu para que todos coloquem suas estruturas de campanha na rua para pedir votos para Aécio Neves e Luiz Fernando Pezão. A partir desta quarta-feira, começa a ser distribuído material de campanha de ambos. Pela manhã, Picciani afirmou, em reunião com seu grupo político, que o PMDB do Rio não será intimidado pela Executiva Nacional, que apoia Dilma Rousseff:

— Não caminhamos ao lado de Michel Temer, Romero Jucá e José Sarney. Vamos dar ao senador Aécio Neves uma votação superior a 65% no estado.

PEZÃO: RELAÇÃO COM DILMA ESTÁ ‘A MESMA COISA’

O encontro para 230 convidados reuniu sete prefeitos, dos quais um engajado na campanha de Dilma — Alexandre Cardoso (sem partido), de Duque de Caxias. Segundo Nelson Bornier, de Nova Iguaçu, que chegou a declarar apoio à presidente, a maior parte das lideranças da Baixada migrará ao Aezão:

— É uma resposta ao tratamento que a presidente deu à região. Até hoje, Nova Iguaçu não recebeu qualquer ajuda referente à ultima enchente (2013).

Já Pezão afirmou na terça-feira que o Aezão continua, mas que vai seguir a orientação nacional de apoio a Dilma. Ele descartou que o Aezão possa levar Dilma a declarar apoio ao adversário Marcelo Crivella (PRB):

— (A relação com Dilma) Está a mesma coisa, sempre falei que obedeço o que meu partido tirou em nível nacional.

Durante o segundo turno, Aécio deverá cumprir agenda na Baixada, em São Gonçalo e na Zona Oeste do Rio, principais colégios eleitorais fluminenses. De acordo com o deputado federal tucano Otavio Leite, a participação em quatro debates e as gravações de programas de TV reduziram o tempo de campanha de rua do candidato.

O Aezão também tenta conseguir apoio do grupo político de Marina no estado.

— É natural que precisem do nosso apoio no segundo turno, até porque o PSB cresceu no primeiro turno — disse o deputado federal Glauber Braga, que participou da coordenação da campanha de Marina no Rio.

* Colaborou Cássio Bruno