Seu browser não suporta JavaScript!

20/03/2012 | Jornal Lance! Net às 23h31

Por 15 a 2, conselho do São Cristóvão F.R. veta venda do estádio

Fim de novela! Por 15 a 2, conselho do São Cristóvão veta venda do estádio

Por David Nascimento

Na noite desta terça, o Conselho Deliberativo do São Cristóvão se reuniu para definir se o Estádio Figueira de Melo, onde Ronaldo Fenômeno iniciou a sua carreira no futebol, seria vendido para a Construtora Even. Por 15 votos a 2, ficou decidido que a proposta feita pela construtora não seria aceita e a venda foi encerrada.

O clima era de preocupação. Antes do início da reunião, o conselheiro Alexandre Biar, contra a venda do estádio e um dos autores do pedido de tombamento junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), comentou sobre as expectativas para a reunião, revelando o motivo de terem dado entrada ao pedido de tombamento no Iphan.

- Vamos ter uma análise da minuta apresentada para os conselheiros ao longo da semana. Mas pelo que vi, a minuta não trás vantagens para o clube e não há nem medida financeira para isso. Sobre o tombamento, a medida partiu da Associação de Moradores de São Cristóvão, que também é contrária a venda, e nós conselheiros contrários reforçamos o pedido para impedir o negócio caso ele passe esta noite - revelou.

Essa novela da possível venda do Estádio Figueira de Melo começou em outubro de 2011. Na época, foi formada uma comissão para fiscalizar e acompanhar a negociação do clube com a Even, adiando para este mês a decisão final. Na última terça, uma nova sessão da reunião foi formada para o assunto. mas devido ao avanço de horário, a decisão foi adiada para esta terça. O sócio Álvaro Carneiro falou sobre a história dessa venda.

- O Estádio Figueira de Melo, apesar de não ser na forma da forma original, é um dos estádios mais angigos do Rio de Janeiro. A história do clube, do futebol, do Fenômeno, do Cantuária, está tudo aqui. Hoje praticamente temos dois clubes separados, um aqui na Sede da Figueira de Melo e outro na Sede Náutica - afirmou.

Apenas 17 dos 63 conselheiros do clube compareceram na reunião. Durante 1h30, eles discutiram na sala de troféus a proposta feita pela construtora. No final da sessão, o professor Clóvis Monteiro, presidente do Conselho Deliberativo, pediu para que os conselheiros contra a venda se levantassem. Dos 17 presentes, 15 levantaram contra a venda. Fim de assunto e comemoração na saída, comentada pelo conselheiro Rafael Garcez.

- Por maioria, o Conselho Deliberativo do São Cristóvão decidiu pela a não venda do Estádio Figueira de Melo, mantendo a tradição de nossa história por aqui. Na reunião, o presidente do conselho argumentou que a venda não poderia ter sido feita pelos baixos valores oferecidos, além da manutenção de nossa tradição. Mesmo com o veto, continuaremos com o processo no Iphan para o tombamento de nosso estádio - afirmou.

O conselheiro Adison Soares, um dos favoráveis a venda, lamentou o resultado após a reunião, criticando o LANCENET! por supostas informações equivocadas que o jornal teria publicado ao longo das negociações.

- Vocês passaram a informação errada. A proposta tinha começado com R$ 12 milhões, foi para R$ 17 milhões e agora estava em R$ 21 milhões. E nós não estávamos vendendo, e sim fazendo uma permuta. Não estávamos vendendo o clube. Isso aqui está caindo aos pedaços. A arquibancada aqui da Figueira de Melo está ruindo, é só vocês verem - reclamou.

NOTA DA REDAÇÃO

O LANCENET! informou o valor de R$ 18 milhões como o correto da proposta devido ao documento da minuta de contrato que a redação teve acesso ao longo das negociações. O item 4.4 da minuta diz "as partes atribuem ao total das responsabilidades da EVEN para construção e entrega ao São Cristóvão o valor de R$ 18.000.000,00 (dezoito milhões de reais), sendo R$ 16.500.000,00 (dezesseis milhões e quinhentos mil reais) correspondente à construção do novo estádio, R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais) correspondente à construção ou reforma da sede administrativa do imóvel e R$ 1.000.000,00 (hum milhão de reais) correspondente à obrigação de construir e entregar ao São Cristóvão futuras unidades no empreendimento".