Seu browser não suporta JavaScript!

29/03/2006 | Jornal do Brasil

Prefeito e vice fora do país

O vice-prefeito do Rio, Otavio Leite (PSDB), decidiu deixar o país nesta sexta-feira para não correr o risco de tornar-se inelegível. Como o prazo para desincompatibilização termina nesse dia, pretende ficar no exterior, provavelmente na Argentina, até decidir o futuro político. Poderá concorrer este ano a deputado estadual ou até mesmo ser o candidato tucano ao governo do estado.

Como o prefeito Cesar Maia também está viajando, o presidente da Câmara dos Vereadores, Ivan Moreira (PFL), assume a administração municipal. Ontem, depois de receber uma ligação do vice-prefeito, Moreira chamou vereadores do PFL e do PSDB para combinar os planos para o único dia à frente da prefeitura.

O vereador já vislumbra a oportunidade de ser o prefeito interino com mais freqüência nos próximos dois anos. Acredita que Cesar Maia permanece no cargo, mas Otavio Leite deve deixar a vice-prefeitura para se candidatar.

- Na política, tudo é possível. Se o vice-prefeito tem a intenção de ser candidato, serei o prefeito quando Cesar Maia se ausentar - disse Moreira.

Otavio Leite já manifestou o desejo, para amigos, de candidatar-se a deputado estadual nas eleições deste ano. Especula-se, também, a possibilidade de concorrer ao governo do estado, caso o prefeito Cesar Maia (PFL) não queira ser o candidato. O presidente do PSDB, Tasso Jereissati, disse ao vice-prefeito, ontem, em Brasília, que a prioridade do partido é apoiar a candidatura de Cesar Maia, para garantir um palanque forte ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, escolhido candidato tucano à Presidência.

A assessoria de Cesar Maia informou que o prefeito só voltaria do Equador, onde está desde o fim de semana, na segunda-feira. Mas o prefeito, em e-mail ao JB, disse: ´´Otavio (Leite) não precisa sair pois eu retorno dia 1º (sábado)´´ Cesar viajou para evitar o assédio sobre a possibilidade de candidatar-se ao governo do estado. Ontem, tucanos diziam que o prefeito já teria uma carta-renúncia nas mãos, para apresentar na segunda-feira. A assessoria da prefeitura nega.

O prazo de desincompatibilização para quem vai concorrer às eleições termina na sexta-feira, a menos que a candidatura seja à reeleição. Os candidatos que estiverem no exterior podem deixar o cargo quando voltarem de viagem.