Seu browser não suporta JavaScript!

19/05/2003 | Jornal O Fluminense

Pró-emissário

A Comissão Especial da Alerj que acompanha as obras de saneamento da Baixada de Jacarepaguá, Barra e Recreio dos Bandeirantes ouviu ontem o depoimento do subsecretário estadual de Meio Ambiente, Alberto José Mendes Gomes.

Ele era presidente da Cedae quando as obras tiveram início, em abril de 2001. O subsecretário disse que, ao deixar a Cedae, um ano após o início das obras, a parte civil das estações de tratamento da região estava praticamnte pronta.

O ex-presidente da Cedae, Alberto Gomes, disse ao presidente da comissão Pró-emissário, deputado Otavio Leite (PSDB), que não entendeu o motivo da paralização das obras de saneamento da região da Barra da Tijuca. Segundo ele, ´o esgotamento sanitário da Barra é um negócio bastante viável economicamente´. ´A Barra é uma Miami sem esgoto´, definiu. Gomes disse que, em abril de 2002, 50% dos anéis de concreto do emissário estavam prontos.