Seu browser não suporta JavaScript!

01/07/2011 | Agência de Pautas INCcorporativa (Região Sul/Brasi

Projeto vai beneficiar jornais de bairro

Enquanto avança na Câmara dos Deputados, o projeto que reserva verba para jornais alternativos repercute de forma positiva em Porto Alegre. Aprovado pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados, a proposta obriga órgãos públicos da União, estados e municípios a reservar 10% da verba de publicidade de imprensa escrita para jornais alternativos - de bairro ou regionais.

Ainda na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), no último dia 22 de junho houve a reabertura do prazo para emendas ao projeto - Art. 166 do RICD, e a marcação de cinco sessões ordinárias, a partir do dia 24 deste mês.

O Projeto de Lei 4961/09 define como alternativos os periódicos com tiragem mínima de 5 mil exemplares, direcionados para um bairro, região ou segmento específico da sociedade. De autoria do deputado carioca Otavio Leite (PSDB), tramita em caráter conclusivo, necessitando apenas ser analisado e aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça para entrar em vigor.

Para o presidente da Associação dos Jornais de Bairro e Segmentados de Porto Alegre / Rede Jornal (AJOB), Paulo Ricardo R. Tomasini, o impacto dessa nova determinação nos periódicos locais será altamente positivo. “A medida vem ao encontro da democratização dessas verbas, antes voltada apenas para as grandes empresas”, disse ele, ressaltando que a aprovação da lei possibilitará um avanço significativo aos jornais de bairro e segmentados de Porto Alegre. “Com a garantia de publicidade de governos de todas as esferas, os veículos que hoje circulam na capital gaúcha terão melhores condições de sustentabilidade. Com isso, investirão ainda mais na qualificação de seus jornais”, prevê.

Segundo Tomasini, essa mídia segmentada, tradicional não só em Porto Alegre mas também em outras grandes cidades do país, sempre teve dificuldades de captar recursos publicitárias oficiais. “O destino dos anúncios são as agências que costumam contemplar grandes jornais. Essa prática sempre foi um empecilho nós”, completa.

Ainda de acordo com o presidente da AJOB, todos os jornais que se adequarem aos critérios mínimos da nova legislação terão condições de crescimento, fator que qualificará uma proposta editorial regionalizada, valorizando ainda mais espaços de forma reconhecida pela comunidade e que muitas vezes os grandes veículos não conseguem atingir. “Com a aprovação da lei, provavelmente novos veículos de comunicação com essas características sejam criados em Porto Alegre”, acredita.

Porto Alegre conta hoje com um total de 25 jornais ligados à AJOB. No entanto, periódicos que circulam efetivamente na região, com regularidade mensal ou quinzenal, chegam a cerca de 40 veículos, incluindo edições de bairro, de instituições, de associações e de outros segmentos diversos como esportes, cultura, saúde e bem-estar, variedades, animais domésticos, entre outros. Na capital, os jornais que integram a associação representam uma tiragem aproximada de 300 mil exemplares por mês.