Seu browser não suporta JavaScript!

02/05/2012 | Jornal O Globo

PSDB quer chamar Cabral para depor na comissão

BRASÍLIA. Parlamentares da oposição e até da base aliada estão se movimentando para tentar evitar que o PMDB blinde o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), na CPI mista do caso Cachoeira. Hoje, o deputado Fernando Francischini (PSDB-PR), membro da CPMI, protocola na secretaria da comissão requerimento pedindo que Cabral seja convocado para explicar suas ligações com o dono da Delta, Fernando Cavendish. Fotos e vídeos divulgados recentemente pelo deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) em seu blog mostram cenas de Cabral e secretários em viagem à Europa em 2009 na companhia de Cavendish.

- Decidimos encaminhar o requerimento para obrigar o PMDB a botar a cara votando contra - disse o deputado Otavio Leite (PSDB-RJ).

- Relações íntimas não são objetos da CPI. Porém, se delas resultar qualquer tipo de benefício, aí o assunto passa a ser de interesse público e, consequentemente, da CPI - afirmou o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ).

Para evitar a convocação, o PMDB usará na CPI o discurso de que Cabral não pode ser investigado por uma amizade com Cavendish e que, ao contrário de Marconi Perillo (GO) e Agnelo Queiroz (DF), Cabral não aparece em conversas com Carlinhos Cachoeira. O PMDB insistirá na tese de que se trata de briga política com Garotinho.

O líder do PMDB na Câmara, Henrique Alves (RN), disse que Cabral está tranquilo, pois não procurou ninguém do partido. Para ele, a amizade de Cabral e Cavendish é conhecida:

- Não tem nenhuma prova contra ele. Por acaso é objeto de CPI falar sobre relações pessoais?

Em novos vídeos divulgados ontem por Garotinho, um convidado num restaurante em Paris sugere que depois o grupo poderia ir a um cassino.

Hoje, o relator da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), recebe toda a documentação do inquérito das operações Monte Carlo e Vegas, enviada pelo Supremo Tribunal Federal.