Seu browser não suporta JavaScript!

24/07/2012 | Portal Terra

RJ: candidatos criticam ausência de Paes em debate sobre lixo

Por Mônica Garcia

O Ciclo de Debates Abralatas 2012 (Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade) reuniu pela primeira vez os candidatos à Prefeitura do Rio de Janeiro na manhã desta terça-feira. A única ausência no evento, realizado no centro da cidade, foi a do atual prefeito e candidato à reeleição, Eduardo Paes (PMDB). Segundo sua assessoria, o peemedebista se preparava para viajar a Londres, onde acompanhará a abertura dos Jogos Olímpicos.

A ausência de Paes gerou uma série de ataques por parte dos adversários presentes: os deputados estaduais, Aspásia Camargo (PV) e Marcelo Freixo (Psol), os deputados federais, Otavio Leite (PSDB) e Rodrigo Maia (DEM), além de Cyro Garcia (PSTU) e Fernando Siqueira (PPL).

O candidato Marcelo Freixo - o mais aplaudido pelos catadores enquanto falava - considerou um absurdo duas empresas privadas e suspeitas de fraude, como a Locanty e a Delta, continuarem prestando serviços para a prefeitura. "Quem diz que governa para todo mundo está mentindo. Os interesses dos trabalhadores não são os mesmos que os da Delta e os da Locanty. E não contar com a presença do prefeito é um grande desrespeito com vocês trabalhadores", afirmou o socialista.

Rodrigo Maia, filho do ex-prefeito César Maia, também atacou a ausência de Paes e propôs uma agência reguladora para o setor de reciclagem. "O candidato riquinho (Paes) não gosta de debater com os trabalhadores. Ele prefere ficar no ar condicionado do gabinete e debater com os empresários. Acredito que precisamos sair do campo das ideias e trabalhar efetivamente para criar um órgão vinculado à Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) para o setor de reciclagem. É preciso organizar os catadores sem intermediários".

Aspásia Camargo disse que é fundamental reduzir o lixo gerado pela população, pois muitos materiais não são passíveis de reaproveitamento. "Precisamos aproveitar ao máximo os materiais recicláveis para podermos fomentar a economia do Rio de Janeiro. Basta a criatividade para gerarmos uma grande fonte de renda aos trabalhadores autônomos".

Para Otavio Leite é preciso ensinar para toda a população que a reciclagem é fundamental para a vida da cidade. Cyro Garcia e Fernando Siqueira acreditam que é preciso dar melhores condições de trabalho aos catadores. A ideia é efetivar os profissionais nos quadros da prefeitura, criando uma empresa municipal de coleta de resíduos sólidos.

Ausência

Em nota, Eduardo Paes explicou os motivos de sua ausência, comunicando que não tem disponibilidade para atender a todos "em função de suas grandes responsabilidades administrativas e de representação como prefeito do Rio de Janeiro". A coordenação de campanha decidiu que, no primeiro turno, o candidato só participará dos compromissos de debate já assumidos com algumas redes de televisão aberta.

Datafolha

Os candidatos também falaram sobre a primeira pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada neste sábado, em que o atual prefeito aparece com 54% da intenções de voto. Segundo colocado, Marcelo Freixo avaliou como muito bons os índices em relação a sua campanha. Para o deputado, a corrida eleitoral está só começando e muita coisa ainda acontecerá, principalmente, após a propaganda eleitoral que começa em agosto. "Temos muito a crescer já que, segundo a pesquisa, 50% dos eleitores não nos conhecem e o nosso índice de rejeição é o mais baixo. Esses 10% da intenção de voto nos garantem todos os dias no programa eleitoral. Com certeza, levaremos a campanha ao segundo turno", afirmou.

Na opinião de Rodrigo Maia, filho do ex-prefeito César Maia, ainda é muito cedo para avaliar o estudo. O deputado federal teve um índice de rejeição de 31%, o maior da pesquisa, e 6% das intenções de voto. "A Datafolha foi realizada em um ponto da cidade, onde o fluxo de pessoas beneficia o candidato riquinho, Eduardo Paes. Nada disso afeta a nossa campanha, pois até o final de agosto o percentual de 54% dele (Paes) cairá em pelo menos 14%".

Otavio Leite afirmou que o resultado da pesquisa é ótimo porque ele ainda não levou sua campanha efetivamente para as ruas. "Ainda não entramos efetivamente em campanha. Estar pontuando já nessa primeira pesquisa mostra que temos condições de fazer o diferencial nas eleições", afirmou. Para Aspásia Camargo, o resultado do levantamento ainda é pouco significativo. Segundo ela, poucas pessoas foram ouvidas e ainda é muito cedo para avaliar a corrida eleitoral.