Seu browser não suporta JavaScript!

05/10/2014 | Jornal Lance! Net

Romário, Andrés, Danrlei... Veja as figuras esportivas que foram bem nas urnas

Personagens do mundo esportivo estiveram sob avaliação da população nas eleições deste domingo. Alguns repetiram o sucesso dos campos e tiveram votação expressiva, como Romário (PSB), eleito senador com folgas no Rio, e o ex-goleiro Danrlei (PSD), deputado federal pelo Rio Grande do Sul.

Já Roberto Dinamite (PMDB), atual presidente do Vasco, serviu como exemplo do grupo de esportistas que foram rejeitados nas urnas e não se elegeu deputado estadual no Rio.

Romário foi símbolo do sucesso eleitoral. Ele ganhou a corrida pelo senado com goleada sobre o segundo colocado César Maia (DEM). O Baixinho, que atualmente é deputado federal e tem sido combativo contra a CBF, teve 63% dos votos válidos: mais de 4,6 milhões de eleitores.

Parceiro de Romário no tetra do Brasil em 1994, Bebeto terá mais quatro anos na Assembleia Legislativa como deputado estadual do Rio.

Já Danrlei se reelegeu deputado federal sendo vice-campeão de votos dos gaúchos: 158 mil eleitores. Ele chegou a aparecer no topo em alguns momentos da apuração, mas só foi batido por Luiz Carlos Heize (PP).

Outra figura do esporte que se deu bem no Rio Grande do Sul foi o ex-jodoca João Derly (PCdoB), que ganhou cerca de 106 mil votos e um mandato em Brasília. Ainda no Rio Grande do Sul, o ex-atacante Jardel foi eleito deputado estadual.

Deley, que apareceu no cenário do futebol como volante defendendo o Fluminense, na década de 1980, ingressou na vida política efetiva como deputado federal, em 2003, na época com a bandeira do Partido Verde. No pleito atual garantiu vaga como deputado federal mais uma vez, pelo Rio de Janeiro, embora pelo PTB.

Em São Paulo, o ex-presidente do Corinthians também esteve entre os mais votados para deputado federal. Andrés Sanchez se elegeu.

Por outro lado, houve quem não tivesse tanto sucesso. A votação de Dinamite, por exemplo, foi fraca no Rio: pouco mais de 9 mil votos.

Marcelinho Carioca (PT), Ademir da Guia (PRP), Jamelli (PCdoB) e Marco Aurélio Cunha (PSD) também tentaram ser deputados estaduais por São Paulo, mas não foram eleitos.

No Distrito Federal, a ex-jogadora de vôlei Leila tentou ser deputada distrital, mas, com cerca de 11 mil votos, entrou na lista das frustrações eleitorais.

Em Minas, o presidente do Cruzeiro, Gilvan Tavares, o ex-atacante Reinaldo, o ex-goleiro Raul Plassmann e o ex-atacante Marques não se elegeram deputados.

Vale complementar a lista com Otavio Leite, que apesar de não ter histórico nos gramados, tem em seu currículo atuação esportiva bem efetiva. Ele é o autor da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte, o Proforte, e garantiu vaga na Câmara dos Deputados em 2015. Ficou entre os 10 mais votados no pleito.

Da mesma forma, convém citar o retorno de Silvio Torres à Câmara, pelo PSDB. Eleito no pleito deste domingo, ele marcou sua participação em favor do esporte como relator da CPI da CBF-Nike, entre os anos 2000 e 2001, gerando um relatório de 800 páginas, apesar da forte resistência da chamada "bancada da bola".