Seu browser não suporta JavaScript!

29/08/2012 | Ascom Otavio Leite

Saúde e títulos de propriedade foram temas do debate no Vidigal

Na noite de quarta-feira (29), o candidato tucano Otavio Leite participou de um debate, promovido pela Associação de Moradores do Vidigal, e realizado na praça daquele bairro, com o candidato Marcelo Freixo. O evento, denominado Quartas Eleitorais, contou com a participação um público de mais de 200 pessoas. O debate foi dividido em dois momentos. No início, os candidatos apresentaram suas propostas. Em seguida, foram perguntados sobre temas como educação, saúde, saneamento, desenvolvimento econômico e coleta de lixo, entre outros. O debate, que teve início às 19h, se encerrou às 21h30.

Para o diretor de projetos e eventos culturais da associação de moradores e organizador do evento, André Gosi, 50 anos, “o Vidigal, além do aumento natural da população, após a implantação da UPP, teve um aumento do fluxo de transporte de serviços, o que vem acarretando problemas sérios no trânsito”, disse. Além disso, Gosi ressalta que a coleta de lixo é insuficiente e o saneamento básico é caótico. Já quanto ao único posto de saúde existente no bairro, ele afirma que: “O posto de saúde não comporta mais o volume de atendimentos, tem que ser ampliado”.

De acordo com o presidente da associação de moradores, Marcelo Silva, de 43 anos, “o objetivo dessas quartas eleitorais é buscar dos candidatos o comprometimento com os problemas do Vidigal.” Ele ainda ressaltou que a prefeitura não acompanhou o crescimento do bairro: “Saneamento básico e coleta de lixo são grandes problemas na comunidade. Precisamos de uma ampliação urgente no posto de saúde e, claro, da implantação de uma unidade de emergência, que não temos aqui,” afirmou.

A moradora Rita de Cássia da Silva, de 56 anos, queixou-se do atendimento no posto de saúde: “Esperei 8 meses por uma mamografia. O resultado de um exame de sangue levou 6 meses para sair. Agora, no período eleitoral, eles mudaram o sistema. Está mais rápido. É uma vergonha. Faltam médicos e estrutura.” Ela também reivindicou mais creches para as crianças e uma coleta de lixo regular, “na Biquinha, onde moro, em frente a sede da UPP, o lixo fica todo espalhado, atraindo ratos e insetos. É um perigo para as crianças e moradores em geral”. Outra a protestar quanto ao atendimento do posto de saúde foi Claudia Nogueira, de 48 anos: “Não têm médicos no posto. E nem emergência. Precisamos reestruturar urgente a saúde aqui no Vidigal”.

Outro problema citado por Otavio Leite, diz respeito a questão do direito à propriedade dos moradores da comunidade, e afirmou que vai colocar a Procuradoria Geral do Município para assegurar apoio jurídico para a população: “Os moradores devem ter o título de propriedade dos seus imóveis, e não apenas o direito de posse”, afirmou.

Foto: Marcelo de Mattos