Seu browser não suporta JavaScript!

26/10/2010 | Revista Veja on line

Serra critica truculência do PT na campanha

Por Cecília Ritto

Ao cumprir o compromisso de campanha adiado pelas agressões sofridas na última quarta-feira, no Rio, o candidato do PSDB à presidência, José Serra, comentou aquele que foi o momento mais tenso da campanha – quando militantes do PT arremessaram objetos contra a comitiva tucana em Campo Grande, na zona oeste do Rio.

“A principal truculência é nas ruas. Eu sofri muito nesta campanha com a truculência, em vários lugares. Inclusive bloqueio de batalhões de choque do PT, como aconteceu outro dia em Campo Grande (bairro do Rio de Janeiro)”, disse Serra, em visita ao estádio do Maracanã, na zona norte.

O candidato voltou a acusar o PT de divulgar mentiras sobre seu partido. “Nunca vi tanta mentira por unidade de tempo proferida por nossos adversários como nesta campanha. Isso naturalmente não ajuda a ter um nível bom. Mas quando um não quer, o nível não fica bom.”

As declarações de Serra foram dadas em uma curta entrevista coletiva no gramado do Maracanã, no qual ele pisou pela primeira vez – fazendo questão de entrar em campo com o pé direito. Momentos antes, ele visitou o museu do estádio, guiado pela secretária de Esporte e Lazer do Rio, Márcia Lins. Em uma conversa informal, Serra aproveitou para saciar algumas curiosidades, chegando a sacar seus óculos para ler reportagens antigas expostas no museu.

De frente para as fotos das seleções brasileiras, o tucano declarou ao deputado federal Otavio Leite que suas referências são os times formados em 1958 e 1962. Serra olhava fixamente as imagens. “Sempre tento lembrar quais eram os jogadores do Palmeiras que fizeram parte da seleção”, disse.

Reivindicação palmeirense - Serra aproveitou a ocasião para detectar um problema no museu: não havia nenhuma placa indicando que o Palmeiras havia sido o campeão da Copa Rio. “O Palmeiras ganhou a Copa Rio, maior título da história do time. Vou ligar para o [Luiz Gonzaga] Belluzo para resolver isso”, brincou. Apesar de ser palmeirense, o candidato ganhou uma camiseta da Urubuzada, uma das torcidas organizadas do Flamengo, para o neto de 4 anos.

Durante sua visita, o tucano lembrou ter chorado na Copa de 50 e prometeu reverter a perda em 2014. “Escolhi o Maracanã porque é um local muito simbólico do que vai acontecer no Brasil e no Rio de Janeiro. No estádio, teremos a final da Copa. Quem é da minha geração, que era muito criancinha quando houve a Copa de 50, tem até hoje atravessado um osso na garganta.”