Seu browser não suporta JavaScript!

12/07/2002 | Globo Barra

Tombamento para o camping do Recreio

Uma das principais áreas verdes do Recreio pode ganhar proteção definitiva. Um projeto de lei que está tramitando na Câmara dos Vereadores propõe o tombamento do conjunto arbóreo do Camping do Recreio dos Bandeirantes.

Com cerca de cem mil metros quadrados de área plana, o camping tem entre seus limites o Morro do Rangel, totalizando 244 mil metros quadrados de vegetação típica de Mata Atlântica.

De acordo com o vereador Otavio Leite, autor do projeto, o tombamento vai evitar que o camping se torne alvo da expansão imobiliária que já alcançou o Recreio:

— Além de livrar o camping da sanha de empreendedores, é importante para uma cidade turística manter uma área destinada a essa atividade.

Uma vez aprovado o registro do camping no Conselho Municipal do Patrimônio Cultural, a área permanecerá intocada e terá apoio da Fundação Parques e Jardins.

O diretor-executivo do Camping Club do Brasil, Ademar de Albuquerque, vê com bons olhos o projeto e lembra que desde que começou a funcionar, em 1974, o camping mantém a região livre dos edifícios:

— A área de camping já estava prevista no Plano Lúcio Costa, mas não corria riscos. Hoje, a expansão imobiliária está chegando. Já estão construindo apartamentos bem ao lado da nossa área.

A unidade do Recreio é a mais movimentada das 39 áreas de acampamento que compõem o Camping Club do Brasil em todo o país.

Depois de alguns anos de declínio, o fluxo de visitantes volta a aumentar: o camping registra em média 150 mil pernoites por ano, quase um terço deles no verão. No último carnaval, quatro mil pessoas instalaram trailers e barracas por lá.

O surpreendente é que a maioria das pessoas que procuram o camping mora na cidade. Gente que prefere passar boa parte do seu tempo entre o mar, as árvores e as trilhas do lugar. É o caso do corretor de imóveis Manoel Ferreira, de 56 anos, que se divide entre seu trailer e o apartamento na Tijuca:

— Como trabalho por conta própria, resolvo tudo daqui, pelo celular. Adoro acampar.

Lugar vai passar por melhorias

De acordo com o diretor Ademar de Albuquerque, o movimento no camping vem aumentando depois que o clube facilitou a adesão de sócios, que pagam metade da diária, que custa R$ 9,20 por pessoa.

Os visitantes contam com a infra-estrutura de banheiros, lavanderia, lanchonete e eletricidade e uma quadra poliesportiva. Quem não tem barraca ou trailer pode alugar uma unidade no próprio camping e escolher um dos espaços, organizados por ruas.

Até o fim do ano, as instalações devem passar por uma reforma e a construção de um cyberespaço vai amenizar o isolamento de quem estiver acampado com o acesso à internet.

Trailer que já virou casa

Foi numa época de pouco dinheiro que o jovem ator Bruno Gradim chegou ao Camping Club do Recreio para um curto período.

Ele se apaixonou pelo lugar e resolveu comprar seu próprio trailer, que hoje é, praticamente, a sua casa. Como as regras do clube não permitem a moradia, Bruno passa alguns dias na casa da mãe, ali mesmo no Recreio, e volta para o acampamento sem precisar retirar o trailer do lugar. A casa sobre rodas ganhou mais espaço com a instalação de um toldo e tem banheiro, fogão, geladeira, duas camas, TV e videocassete.

— Costumo ficar lendo encostado numa pedra, levo bananas para os micos nas árvores ou mergulho no mar. Isso tudo sem ter que me afastar das minhas atividades na cidade. Há algum desconforto, mas isso faz parte do preço que pago para estar no meio da natureza.