Seu browser não suporta JavaScript!

29/11/2010 | Blog da Bancada do PSDB na Câmara e no Senado

Tucanos apontam ações para combate efetivo ao crime organizado no Rio de Janeiro

Por Alessandra Galvão

Após a operação policial bem sucedida no Complexo do Alemão neste domingo (28), parlamentares do PSDB apontaram diversas ações para que o combate ao crime organizado no Rio de Janeiro tenha continuidade. Com o auxílio das Forças Armadas, os policiais ocuparam a comunidade controlada por bandidos munidos de armas de guerra durante três décadas. A operação policial nos morros e favelas cariocas começou há uma semana após uma série de ataques e incêndios a veículos, atribuídos a uma resistência dos criminosos à instalação de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

Delegado da Polícia Federal e ex-secretário de Segurança Pública do Estado, o deputado Marcelo Itagiba (RJ) afirmou que a união de forças dos diversos segmentos responsáveis pela segurança pública no país para enfrentar as facções criminosas é essencial. “As corporações deixaram de lado seus interesses para pensar no interesse da população e libertá-la do jugo de traficantes fortemente armados. A polícia sempre entra em qualquer lugar e enfrenta qualquer tipo de bandido. A dificuldade é permanecer nesses locais após o enfrentamento com a criminalidade”, destacou nesta segunda-feira (29).

Segundo Itagiba, o problema deve-se principalmente ao limitado contingente de policiais que não é suficiente para fazer ao mesmo tempo a ocupação e o policiamento ostensivo nas ruas. O tucano defende a realização de concursos públicos para aumentar o número efetivo das polícias no Rio. “Foi dado o primeiro passo. Agora é preciso manter essas áreas ocupadas de forma permanente para que os criminosos não voltem como aconteceu dois anos atrás na operação no Complexo do Alemão”, relembrou.

Para o senador Alvaro Dias (PR), a segurança pública deve ser uma questão prioritária do Estado. Ele também defendeu a interação do Exército, da Polícia Federal e das polícias estadual e municipal. O tucano criticou a omissão federal durante tanto tempo. “Há uma pergunta que não pode deixar de ser feita: por que só agora? Por que depois de tanto tempo? A autoridade pública tem que se impor sempre, não apenas em determinadas circunstâncias. Quando ela não se impõe, a marginalidade cresce, se avoluma”, questionou.

O parlamentar cobrou uma ação federal para combater o contrabando de armas e drogas nas fronteiras do Brasil. O senador apoia a instalação de uma CPI para investigar o problema. “Considero importante como providência, a partir de agora, o controle do contrabando de armas e de drogas em todas as fronteiras do país. É evidente que não basta combater o tráfico, os traficantes, a violência, a criminalidade nos centros urbanizados. A violência começa lá na faixa de fronteira, com o contrabando e o tráfico de drogas”, avaliou.

Na avaliação do deputado Otavio Leite (RJ), além do combate ao tráfico, é preciso criar oportunidades para a população das favelas. “Todos queremos que o Estado se institua na sua plenitude nesses territórios e seja respeitado como agente da lei. Mas é preciso criar horizontes concretos para as pessoas que lá vivem, pois a grande maioria está desamparada e sem emprego. É preciso que elas tenham oportunidades de se desenvolver como cidadãs e isso só faz por meio de oportunidades de trabalho”, apontou.