Seu browser não suporta JavaScript!

20/08/2007 | Ascom Dep. Otavio Leite

TV pública terá sede no Rio

O Rio de Janeiro foi o estado escolhido para sediar a TV Pública do governo federal. A avaliação do Executivo é que o Rio simboliza ´um início com mais energia´ da TV Brasil, que deve estrear em 2 de dezembro, juntamente com as primeiras transmissões da TV digital em São Paulo.

A TV Brasil terá dois pontos de programação: no Rio, o foco será a programação cultural; em Brasília, a informação, a notícia. Além disso, alguma diretoria da TV Brasil deverá ficar em Brasília, apesar da sede no Rio. A decisão foi tomada em 17/08.

Ato do Comitê Pró-TV Pública

O ato do Comitê Pró-TV Pública no Rio, realizado em 13/08 na OAB, deixou claro que as forças políticas do Rio de Janeiro estão dispostas a apoiar o mais importante projeto de Comunicação do governo Lula, a criação da TV Pública. Além de entidades da sociedade civil e parlamentares de diversos partidos, o ato contou com dois representantes do governo estadual - o secretário de Meio Ambiente, Carlos Minc, e o subsecretário de Comunicação, Ricardo Cota, representando o governador Sérgio Cabral - e com os prefeitos Artur Messias, de Mesquita, e Lindberg Farias, e Nova Iguaçu, ambos do PT. ´Vamos oferecer apoio político do Rio de Janeiro à TV Pública, que tem muitos adversários´, discursou o jornalista Fernando Brito, da direção nacional do PDT. O movimento para que a sede da TV Pública fique no Rio, baseada na TVE, já tinha lotado o auditório da ABI e, ontem, chegou à OAB, no ato presidido pelo presidente da entidade no Rio, Wadih Damous. Na visita que fará esta semana ao Rio, o presidente Lula deverá receber das mãos do governador uma carta das entidades que lideram o movimento.

No ato de ontem, o vereador Eliomar Coelho (Psol) defendeu o maior engajamento do Legislativo municipal na campanha, que ´deve chegar às universidade e às ruas´. Os deputados Marcelo Itagiba (PMDB) e Otavio Leite (PSDB) representaram o bancada federal do Rio, que também tem no movimento o líder do PDT, Miro Teixeira, e o petista Jorge Bittar. O deputado estadual Gilberto Palmares (PT) representou o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB). ´Muita gente tem interesse de que a TV Pública não venha a se tornar uma realidade. Por isso, a mobilização é mais abrangente e temos que tomar as ruas´, disse Palmares.

De acordo com o vereador Stepan Nercessian (PPS), diretor do Sindicato dos Artistas, também presente, o Rio não está fazendo um pedido ao Governo Federal, mas uma oferta. ´Não é corporativismo. A TVE teve um trabalho heróico ao longo dos últimos anos´, disse. Para Carlos Minc, o movimento tem uma motivação política, de fortalecer a TV Pública, e não uma reivindicação regional. Para o presidente da Rádio MEC, Orlando Guilhon, membro do grupo executivo que formula o projeto do Sistema de Público de Comunicação, pela primeira vez o Governo Federal está formulando uma política pública para o setor. ´O grande desafio é a capacidade de abrir o debate com o Congresso e a sociedade. O projeto tem sofrido críticas de alguns setores conservadores e da mídia comercial´, disse Guilhon. O deputado estadual Alessandro Molon (PT) já aprovou, na Alerj, uma moção de apoio ao movimento, que já recebeu as adesões dos reitores Aloísio Teixeira, da UFRJ, e Roberto de Souza Salles, da UFF. Os presidentes dos sindicatos das Empresas de Processamento de Dados (Seproerj), Benito Paret, dos radialistas, Miguel Walter Costa, e dos Jornalistas, Aziz Filho, integram a coordenação da campanha e estiveram na mesa do ato com Wadih Damous, Ricardo Cota e Stepan Nercessian.