Seu browser não suporta JavaScript!

25/01/2010 | Jornal do Brasil

Um mar de emoção inundou a Barra

Por Cristiane Pepe

Foi uma manhã de muita emoção e alegria na Barra da Tijuca.

Com a estreia do projeto Praia para Todos (das ONGs Espaço Novo Ser e a Adapt Surf), pessoas portadoras de necessidades especiais que nunca haviam entrado no mar ou que não o faziam havia mais de 20 anos puderam voltar a se divertir.

– Eu tenho 25 anos de lesão e, desde então, nunca mais entrei no mar. É muito legal, a emoção.

Puxar a cadeira nessa areia é muito difícil, as pessoas tinham que vir para me ajudar e eu acabava desistindo. Tomava banho de balde. Me sinto uma criança de 10 anos de idade – vibrava Carlos Simon, de 49 anos.

Ao trocar sua cadeira de rodas por outra adaptada para a água, ele não conteve a felicidade e ergueu os braços para o alto, comemorando e emocionando os voluntários que trabalham no projeto.

Mas coube a Nelson Marcondes, 70, ser o primeiro a usar ontem a cadeira anfíbia, que tem rodas infláveis e flutua na água.

– Quem sofre um acidente tem um problema psicológico que acaba dominando a pessoa.

Esse projeto e o contato com outros que estão em situação parecida ajudam a superar – disse, emocionado.

Os especiais também usaram uma prancha de surfe coberta com película antiderrapante e tiras em que eles podem segurar.

– Agora, minha filha vai perceber que pode fazer coisas que nunca imaginou – disse Tamara Lopes, mãe de Caroline Braga, 14, cuja expectativa de vida ao nascer era de um ano.

Para João Pedro, de apenas 2 anos e 10 meses, a alegria de ontem não teve preço.

– O nosso passeio se resumia ao calçadão e hoje estamos aqui.

Batia uma tristeza muito grande de ver outras crianças brincando.

Agora, o sonho foi realizado – disse a mãe do menino, Nínive Oliveira Ferreira, 32.

Ricardo Goulart, representante da Michelin, única empresa que patrocina o projeto, comemorou: – A responsabilidade social junto com a acessibilidade, melhora a mobilidade das pessoas no mundo.

As melhorias trazidas pelo projeto Praia Para Todos, começam fora da areia, com um sinal de trânsito sonoro instalado na Praça do Ó, na Barra, para que os que tem déficit de visão possam atravessar com segurança. Esteiras sintéticas para os cadeirantes chegarem ao mar devem ficar na Barra até o final de março, quando o projeto Praia Para Todos parte para Copacabana – Ipanema e o prosaico Piscinão de Ramos virão a seguir.

Os coordenadores Fabinho Fernandes, de 34 anos, Ricardo Gonzales, 28, e Jeferson Maia, 45, estavam muito emocionados.

– No ano passado, ficamos no Leblon durante o verão.

Deu super certo, porque as pessoas que nunca tinham tomado banho de mar, por causa da deficiência, puderam ter a oportunidade – conta Jeferson, que conheceu os colegas em trabalhos em outras ONGs.

O projeto é aberto a qualquer pessoa. Para inscrever grupos, no entanto, é necessário acessar o site praiaparatodos.

com.br, ou ligar para o telefone 3904-2614. Quem quiser colaborar como voluntário deve enviar e-mail para novoser@novoser.org.br.

O projeto conta ainda com o vôlei de praia e frescobol adaptados.

O subprefeito da Barra, Tiago Mohamed, e o deputado federal Otavio Leite (PSDB) estiveram na abertura.

– Os portadores de necessidades, assim como os mais pobres, têm que ter acesso ao lazer. No Congresso, trabalho pela isenção de impostos sobre produtos ortopédicos – disse Otávio.

Mohamed frisou que a praia é para todos.

– Agora sim, tornou-se um lugar democrático.