Seu browser não suporta JavaScript!

18/10/2007 | Agência Tucana

União não previu verbas para reformar Galeão

Bancada do Rio diz que vai apresentar emenda de R$100 milhões para tentar garantir a revitalização do terminal 1

Brasília (18 de outubro) - Apesar da promessa do governo federal de transferir parte dos vôos internacionais para o Rio, feita após a explosão do Airbus da TAM no congestionado aeroporto de Congonhas, o Orçamento da União para 2008 não tem recursos suficientes para garantir todas as obras necessárias à renovação do aeroporto Tom Jobim.

Segundo levantamento da Infraero, seriam necessários R$99,8 milhões para custear as reformas necessárias. Mas a proposta orçamentária prevê apenas R$4,3 milhões a serem investidos na modernização do terminal de cargas e outros R$31,7 milhões para recuperar o sistema de pátio e pistas. Os dados foram divulgados pelo deputado Otavio Leite (RJ) .

Para tentar garantir a execução das obras, a bancada do Rio, que tem 46 parlamentares, decidiu apresentar uma emenda conjunta de R$100 milhões.

- A bancada vai colocar (no Orçamento) os recursos necessários à recuperação do Tom Jobim - disse Leite.

Depois de se reunir com a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, para informar sobre o andamento de obras em aeroportos previstos no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), o presidente da Infraero, Sérgio Gaudenzi, confirmou a intenção da bancada. Segundo ele, o aeroporto é um dos melhores do país, mas está subutilizado e precisa reformar o terminal 1 por causa do aumento do número de vôos que poderá receber.

O presidente da estatal disse acreditar que, se os recursos de fato forem incluídos e depois liberados do Orçamento do ano que vem, em um ano e meio as obras poderão estar concluídas.

- O terminal 1 está extremamente deteriorado. A bancada do Rio vai apresentar uma emenda coletiva para reformá-lo - disse Gaudenzi.

No levantamento da Infraero sobre a descrição de obras necessárias no Tom Jobim, a empresa cita a revitalização e modernização do terminal 1, a recuperação da cobertura e serviços complementares do terminal, como prédio da central de água gelada e da área de manutenção do setor de cargas. Também está prevista a reforma dos elevadores do terminal 1 e do prédio da torre de controle.

Em 2006, 8,8 milhões de passageiros passaram pelo aeroporto, que tem capacidade para dobrar o movimento. Atualmente, 18 companhias, incluindo nacionais e estrangeiras, operam no terminal. A intenção do Ministério da Defesa, apoiada pelo governo do Estado do Rio, é aumentar os vôos para o exterior a partir do Rio. Segundo dados da Infraero, atualmente há vôos para 26 destinos fora do país saindo do Galeão.

Gaudenzi disse também que, no encontro com a ministra Dilma, técnicos do Ministério da Fazenda apresentaram um primeiro estudo sobre a a abertura de capital da Infraero. A idéia é manter nas mãos do governo o controle da empresa, num modelo semelhante ao da Petrobras. No entanto, Gaudenzi não informou, já que o governo ainda não tem isso claro, quanto a companhia pretende arrecadar com a abertura de capital.